09/05/17

Judea, de Diniz Conefrey [Pianola, 2016]

Judea é a narrativa gráfica que resultou da adaptação livre que Diniz Conefrey realizou do conto Mocidade (Youth), escrito por Joseph Conrad em 1898, a partir das suas próprias viagens pelo mar a bordo do Palestine  em 1882.

Como Conrad, Conefrey cria aqui uma visão impressionista desta narrativa cuja matriz aventureira pelo desconhecido, uma viagem de barco ao Oriente, reflecte-se nas suas explorações gráficas, ora mais naturalistas, ora mais abstractas, permitindo/sugerindo ao leitor ser também observador contemplativo. As primeiras dez pranchas quase sem texto, onde o autor representa as frias paisagens da costa inglesa, são disso exemplo.


Refere Pedro Moura que “Se a banda desenhada classicamente narrativa reforça esse fito através da criação de nódulos de acção, começando in media res, criando pontos de suspense, debuxando arcos de desenvolvimento e resolução, Conefrey procura outras linguagens, em que a intensidade está sempre presente mas não na organização dos “episódios”. A mera escolha de ter nos limites do relato propriamente dito estes momentos de largos e fundos respirares da paisagem prometem desde logo uma outra forma de leitura”.

O conto Youth, publicado pela primeira vez na escocesa Blackwood's Magazine em Setembro de 1898, é considerado um ensaio para a novela The Heart of Darkness, de 1899. De resto, ambos os títulos foram compilados em Youth, a Narrative; and Two Other Stories, em 1902, sendo The End of the Tether, a terceira narrativa incluída.

Uma adaptação de The Heart of Darkness realizada por David Zane Mairowitz e ilustrada por Catherine Anyango, (SelfMadeHero, 2010), também seguiu já o cariz atmosférico desta adaptação de Conefrey, e é leitura recomendada; bem como, e principalmente, os originais de Joseph Conrad.

Sinopse
Do livro para esta novela gráfica, a matéria é a mesma, o fogo é o mesmo, mas nesta outra aproximação o mar engole a representação do indivíduo, embora ele seja também a vaga que permite a vida. A tonalidade central nesta leitura já não é a mocidade nem toda a sua energia, que confronta e supera os males do mundo. Toda a substância, neste outro olhar, volta-se para o imponderável através da descrição dos eventos abertos aos sentidos, pulsando a narrativa em contraponto entre a imagem de acção exterior e um sentido visual abstracto; como expressão subjectiva de uma realidade interior. O narrador já não é Marlow, descrevendo os seus dias de mocidade, mas uma voz omnisciente que acompanha o leitor através da trágica viagem de um velho navio, procurando alcançar o Oriente.

Judea, de Diniz Conefrey
Adaptação livre da novela Mocidade de Joseph Conrad
Pianola 14
84 pág., p/b, 27 x 19 cm, €16,00
ISBN 9789899934993
400 exemplares
Pianola Editores, Novembro 2016


0 comentários:

Enviar um comentário

Maximum Rocknroll #413 Out. 2017


Disponível na Black Mamba Distro €4.50
"It’s time for Maximum Rocknroll #413, the October 2017 issue! Do you love KLEENEX/LILIPUT as much as we do? Then you will love the scoop that we have on NEON and their involvement in the early Swiss punk scene. We also speak to Rome’s NOFU on the eve of their first US tour, while LOS IMPUESTOS tell us about the struggles of discovering new music and being a punk in their native Guatemala. Interested in the history of squatting? So is Amy Starecheski, the author of Ours to Lose: When Squatters Became Homeowners in New York City, who spills about an incredibly unique moment in US squatting history. In a dual interview, filmmakers Monika Estrella Negra and Michelle Garza Cervera about combating the dominance of straight white male voices in cinema."