09/05/17

Judea, de Diniz Conefrey [Pianola, 2016]

Judea é a narrativa gráfica que resultou da adaptação livre que Diniz Conefrey realizou do conto Mocidade (Youth), escrito por Joseph Conrad em 1898, a partir das suas próprias viagens pelo mar a bordo do Palestine  em 1882.

Como Conrad, Conefrey cria aqui uma visão impressionista desta narrativa cuja matriz aventureira pelo desconhecido, uma viagem de barco ao Oriente, reflecte-se nas suas explorações gráficas, ora mais naturalistas, ora mais abstractas, permitindo/sugerindo ao leitor ser também observador contemplativo. As primeiras dez pranchas quase sem texto, onde o autor representa as frias paisagens da costa inglesa, são disso exemplo.


Refere Pedro Moura que “Se a banda desenhada classicamente narrativa reforça esse fito através da criação de nódulos de acção, começando in media res, criando pontos de suspense, debuxando arcos de desenvolvimento e resolução, Conefrey procura outras linguagens, em que a intensidade está sempre presente mas não na organização dos “episódios”. A mera escolha de ter nos limites do relato propriamente dito estes momentos de largos e fundos respirares da paisagem prometem desde logo uma outra forma de leitura”.

O conto Youth, publicado pela primeira vez na escocesa Blackwood's Magazine em Setembro de 1898, é considerado um ensaio para a novela The Heart of Darkness, de 1899. De resto, ambos os títulos foram compilados em Youth, a Narrative; and Two Other Stories, em 1902, sendo The End of the Tether, a terceira narrativa incluída.

Uma adaptação de The Heart of Darkness realizada por David Zane Mairowitz e ilustrada por Catherine Anyango, (SelfMadeHero, 2010), também seguiu já o cariz atmosférico desta adaptação de Conefrey, e é leitura recomendada; bem como, e principalmente, os originais de Joseph Conrad.

Sinopse
Do livro para esta novela gráfica, a matéria é a mesma, o fogo é o mesmo, mas nesta outra aproximação o mar engole a representação do indivíduo, embora ele seja também a vaga que permite a vida. A tonalidade central nesta leitura já não é a mocidade nem toda a sua energia, que confronta e supera os males do mundo. Toda a substância, neste outro olhar, volta-se para o imponderável através da descrição dos eventos abertos aos sentidos, pulsando a narrativa em contraponto entre a imagem de acção exterior e um sentido visual abstracto; como expressão subjectiva de uma realidade interior. O narrador já não é Marlow, descrevendo os seus dias de mocidade, mas uma voz omnisciente que acompanha o leitor através da trágica viagem de um velho navio, procurando alcançar o Oriente.

Judea, de Diniz Conefrey
Adaptação livre da novela Mocidade de Joseph Conrad
Pianola 14
84 pág., p/b, 27 x 19 cm, €16,00
ISBN 9789899934993
400 exemplares
Pianola Editores, Novembro 2016


0 comentários:

Enviar um comentário

Maximum Rocknroll #410 Julho 2017


Disponível na Black Mamba Distro €4.50
We hang out with Mexico City’s RIÑA and talk art and politics with Iceland’s hardcore punks DAUÐYFLIN and their US tourmates, Olympia’s XYLITOL. We have interviews with Berlin supergroup LIFE FUCKER, the creator of Exotic, a documentary covering sex work in Guam, and Hiro the Aggression from the legendary DISCLOSE. Garage punkers REPTILIANS FROM ANDROMEDA tell us about the scene in Istanbul, in fair Verona we meet LOS FASTIDIOS, no wave femme-punk heroines Y PANTS reflect on the occasion of their recently reissued back catalogue, IN FLUX mix powerviolence and D-beat in Portland, and MYDOLLS are still at it playing feminist punk in Houston and recording new music nearly 40 years into their life as a band. All of this plus photo spreads from Waynze World III in Kansas City and Olympia’s Book Your Own Fest, as well as an interview with collective members organizing Chicago’s queercore Fed Up Fest. And that’s not all — we’ve also got the biggest record, zine, demo and film review section in punk. What are you waiting for?