23/05/17

A Arte de Autor edita Corto Maltese


A editora Arte de Autor continua, e bem, a apostar na edição de autores italianos clássicos. Depois de uma das melhores obras de Milo Manara, O Rei Macaco, em parceria com Silverio Pisu; e de Serpieri com a juvenil Druuna ( e esqueçam o Anima, exercício supérfluo e unicamente comercial), chega agora a vez de A Balada do Mar Salgado, obra maior de Hugo Pratt, e que deu inicio às deambulações do marinheiro anarquista Corto Maltese.

Esta edição, limitada a 1000 exemplares, a preto e branco, capa dura, com prefácio de Umberto Eco e caderno introdutório com aguarelas a cores, é comemorativa dos 50 anos passados sobre o início da publicação de Una ballata del mare salato no nº 1 da italiana Sgt. Kirk, em Julho de 1967.

Do press release da editora:

“Sou o Oceano Pacífico e sou o Maior. É assim que me chamam há já muito tempo, embora não seja verdade que eu seja sempre pacífico”.

É com esta frase que começa A BALADA DO MAR SALGADO, a obra onde surge pela primeira vez Corto Maltese.

Estamos a 1 de Novembro de 1913, quando algures no Pacífico, entre o meridiano 155º e o paralelo 6º Sul, os primos Pandora e Cain Groovesnore são resgatados como únicos sobreviventes do naufrágio do navio “A Jovem de Amesterdão”.

O catamarã que os resgata, tripulado por nativos, é comandado por um estranho e rude homem branco, de longas barbas e olhar sombrio a quem chamam Rasputine. Este aceita manter os dois jovens a bordo pois, aparentando pertencer a famílias abastadas, acredita que  poderão valer-lhe um avultado resgate.

Mas no seu trajecto rumo a Kaiserine, o catamarã  fará outro estranho encontro com alguém à deriva. Trata-se de Corto Maltese, um velho conhecido de Rasputine e do Monge, amarrado a uma jangada e lançado ao mar por uma tripulação amotinada.

Corto é um marinheiro sem pátria, um aventureiro que não se fixa a um território nem defende outras ideologias a não ser as suas. O barco em que navegava encalhara há alguns anos na ilha do “monge”, e ele acabou por estabelecer uma ligação à enigmática figura encapuzada. Mas embora se movimente no seio de um grupo de piratas, Corto tem um código de conduta e de honra muito próprios, que por várias vezes o oporão a Rasputine.  

A Balada do Mar Salgado, Argumento e Desenho: Hugo Pratt, 184 págs., p/b e cores, capa dura, €26,95, ISBN: 978-989-99674-6-5, Arte de Autor, Maio 2017



Assinala-se também a publicação de Sob o Sol da Meia Noite, álbum de 2015 com argumento de Juan Díaz Canales e desenhos de Ruben Pellejero , que pretende (de forma bastante discutível) continuar as aventuras de Corto Maltese sob a matriz de Pratt, aqui numa primeira edição a cores.

Sob o sol da meia noite 
Argumento: Juan Díaz Canales
Desenho: Rúben Pellejero
88 págs., cor, capa dura, €18,65
ISBN: 978-989-99674-7-2
Arte de Autor, Maio 2017

Agora é esperar a vez do Buzzelli, do Crepax, do Battaglia, do Micheluzzi...

 

0 comentários:

Enviar um comentário

Maximum Rocknroll #413 Out. 2017


Disponível na Black Mamba Distro €4.50
"It’s time for Maximum Rocknroll #413, the October 2017 issue! Do you love KLEENEX/LILIPUT as much as we do? Then you will love the scoop that we have on NEON and their involvement in the early Swiss punk scene. We also speak to Rome’s NOFU on the eve of their first US tour, while LOS IMPUESTOS tell us about the struggles of discovering new music and being a punk in their native Guatemala. Interested in the history of squatting? So is Amy Starecheski, the author of Ours to Lose: When Squatters Became Homeowners in New York City, who spills about an incredibly unique moment in US squatting history. In a dual interview, filmmakers Monika Estrella Negra and Michelle Garza Cervera about combating the dominance of straight white male voices in cinema."